É HORA DE FALAR ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO (Parte 3)

Escrito por Neymarques Bezerra , , , , , , , , , ,

     Resultado de imagem para Suicídio
       Neste nosso ultimo artigo vamos analisar como que a Bíblia trata o suicídio e se realmente todo suicida está condenado ao inferno. São assuntos que pairam no meio evangélico de uma forma deturpada e que precisam de esclarecimentos de modo mais aberto para entendermos como que a misericórdia de Deus age em nossas vidas nos mais diversos aspectos, contando com a colaboração do teólogo e psicanalista Zedequias Carias de Imperatriz-Ma.

Uma pessoa crente, cheia do Espirito Santo, pode obter depressão e cometer suicídio?
      A depressão, assim como o suicídio, tem várias causas e o fato de uma pessoa ser crente cheia do Espirito Santo não obtém garantias de não sofrer enfermidades. Então pergunto: "como uma pessoa crente cheia do espirito santo pode ter miopia e precisar de óculos? Ter problema cardíaco e precisar fazer uma ponte safena? Ter problema renal? É a mesma coisa!" enfatiza o Reverendo Hernandes Dias Lopes. 
     Uma pessoa pode sim sofrer severa depressão como Elias, Jó, Jonas, o poeta Willian Cowper que chegou a tentar varias vezes o suicídio e homens cheio do Espirito Santo que ficaram deprimidos como David Brainerd, John Bunyan, Charles Spurgeon, Charles Finney e muitos outros. Depressão é uma doença mortal e precisa ser tratada com medicamentos, terapias e com fé. Sem estes tratamentos, a pessoa pode sim morrer por consequência da falta destes, e a depressão que leva ao suicídio é uma destas doenças mortais, se não for tratado adequadamente.
   Pode-se afirmar que uma pessoa salva pode sim chegar a tal estado de enfermidade mental, a uma depressão tão severa a ponto de chegar a um estado de loucura e cometer suicídio.  A bíblia diz que nem os loucos erraram o caminho dos céus (Is 35.8) e também afirma que nem a morte pode nos separar do amor de Deus (Rm 8.38). 

Todo suicida perde, automaticamente, sua salvação e assim condenado ao inferno?
    Ao longo dos séculos os suicidas eram tratados com desprezo e preconceito, já na antiguidade eles tinham seus bens confiscados. Na idade média a Igreja não lhe oferecia um enterro cristão e todos os suicidas eram visto como um discípulo Judas Iscariotes. Então nasceu à ideia de que não há salvação para quem tira sua própria vida. Comparar todo suicida com no caso de Judas é uma injustiça, a salvação não é recebida pela pratica das obras e nem pela ausência deste ou daquele pecado porque somos salvo pela graça mediante a fé em cristo Jesus. 
    O que determina a salvação de uma pessoa não é a abstenção deste ou daquele pecado. A base da nossa salvação não depende do que fazemos em momento de elucides, mas do que Cristo fez por nós na cruz. Podemos sim ter garantia e certeza da vida eterna, mesmo sofrendo severa prova. Deus e maior em nossas vidas.
     Dizer que Deus não perdoa um suicida é uma afirmação errada e sem fundamento. É o mesmo que desprezar o poder de Deus e sua misericórdia que é eterna. Ele é capaz, sim, de perdoar um suicida.   
     O próprio Sansão que é considerado, erroneamente, um mártir e não suicida, na verdade tirou sua própria vida, querendo muitos aceitarem ou não mas nem por isso ele foi condenado pelo tal ato. Um mártir morre em favor de algo mas não mata ninguém. Tão tal que Sansão, antes de morrer bradou: "Morra eu com os filisteus" e assim a Bíblia ressalta que ele matou "e foram mais os que matou na sua morte do que na sua vida" (Jz 16.30). Sansão não perdeu sua salvação, se assim não fosse, não teria seu nome posto na galeria dos heróis da fé (Hb 11.32). No caso de Sansão, Deus considerou o motivo pelo qual levou ele a fazer aquilo, também Deus pode analisar o contexto com o que levou certa pessoa a cometer tal ato e julgar o quesito da salvação.
   Então isso significa que posso ter argumentos para me suicidar tranquilamente? Claro que não! Você deve ter motivações para sair desta situação, se recuperar e assim ser testemunha de que você conseguiu, através do poder de Deus, vencer este problema, e assim Deus ser glorificado pela sua vida e fazer com que ajude outras pessoas que estão passando pela mesma situação que você passou. 

Mural de Comentários do Facebook


É HORA DE FALAR ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO (Parte 2)

Escrito por Neymarques Bezerra , , , , , , ,

        Resultado de imagem para Suicídio
     No seriado 13 Reasons Why, podemos perceber que Hannah Baker havia pedido ajuda pelos problemas que estava passando. Mas sinceramente eu não vi tanta ênfase no pedido de ajuda dela. É tão tal que nem o psicólogo da escola conseguiu perceber que ela estava com problemas. Não sei se foi uma vista grossa do autor, ou Hannah não soube como pedir ajuda, ou se o psicólogo (que deveria ser o mais sensível a perceber o problema) era um péssimo profissional mas o seriado nos traz uma lição interessante: Peça ajude de forma enfatizada. Se você estiver com problemas, converse, fale, busque uma ajuda a um especialista e não tenha vergonha porque sua vida é o mais importante.

Que sinais uma pessoa pode apresentar quando quer cometer suicídio?  
         Pessoas com tendência suicida apresenta mudança no comportamento, sempre deixa pista de alerta como: se afastar dos amigos, não ter vontade de sair de casa, falar sobre assuntos que envolvem temas de morte - já apontando suas intenções, falar sobre o desejo morrer constantemente, a própria depressão é um sinal de alerta super significativo, deixar de lado seus hobbies e atividades que gostava de fazer, perda de interesse pelas pessoas, a escrita de muitos bilhetes e muitos outros fatores. 

Como evitar alguém de cometer suicídio?
       Não há uma modalidade ideal para um suicida, diz Émile Durkheim (1897). A tentativa de suicídio ou a idealização suicida são sinais de alarme que chamam a atenção, logicamente acontecem num ambiente em que é previsível ou pelo menos possível ao socorro à vítima se caso necessite. Das pessoas que tentam o suicídio, 20% a 30% fazem uma nova tentativa restando ainda uns 10% que acabam em concretizar o ato, como se refere Stengel (1980).  O Manejo do paciente sob o risco de suicídio geralmente envolve um conjunto de medidas, incluindo combinação de psicofarmacologia, psicoterapia individual, contato com familiares ou amigos, e em caso mais grave a hospitalização. Estes três elementos são fundamentais em ajudar uma mente suicida: medicamento, terapia e fé.

    Sei que é difícil atentar para o próximo, porque além de termos os nossos próprios problemas, as vezes somos tão egoístas que só queremos saber de nós mesmos, e não queremos dar atenção, analisar, procurar saber - de fato - o que nosso amigo está passando, sentindo, se tem problemas, se precisa de ajuda, se precisa desabafar (por até mesmo o desabafo alivia e muito a tensão de alguém). 
      Em uma conversa com um colega, amigo ou alguém próximo, não ocupe o teor do diálogo falando só de você, do que aconteceu contigo ou de suas conquistas. Fale sim de você, mas dê espaço para que seu colega possa falar, contar, dividir porque assim você o ajuda de diversas formas, ouvindo, analisando, captando algo positivo, tanto quanto negativo. Dê atenção! 
     E se você for quem tiver problemas, procure ajuda, pois o que importa é sua vida. Converse com alguém, procure as pessoas certas, seus pais, seu pastor, se não, conte a seu amigo próximo. Vá a um profissional, coloque pra fora suas desventuras, porque assim você pode ajudar você mesmo. Não vale a pena estragar a história da sua vida cometendo tal coisa. 
      No próximo artigo, o ultimo, vamos analisar o que Bíblia fala a cerca do suicídio, e entender se o ato pode ser considerado um pecado imperdoável ou não. De já agradecendo a colaboração do teólogo e psicanalista Zedequias Carias de Imperatriz - MA que é especialista no assunto, que está nos ajudando a simplificar de forma simples e clara o tema abordado.

Mural de Comentários do Facebook


É HORA DE FALAR ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO (Parte 1)

Escrito por Neymarques Bezerra , , , , , , , ,


Já tem um bom tempo que não escrevo mais artigos no meu blog, e juro que tenho me esforçado, mas os estudos e certas ocupações tem me impedido de certa forma, porém o que me fez voltar a escrever foi um assunto realmente interessante e significativo para este e para qualquer outro momento, o suicídio. Chamou-me a atenção depois que uma combinação de milhares de notícias em relação a um aplicativo chamado “Baleia azul”, um aplicativo que tem levado as pessoas a seguirem passos e no fim, tirarem sua própria vida; e um seriado que está entre as mais sensíveis discussões entre adolescente, pais, famílias e escolas, “13 Reasons why” onde uma garota se suicida, porém, se uma forma poética, grava fitas tapes com 13 motivos que fizeram ter feito o que fez.
Em três artigos, sendo este o primeiro, vamos esclarecer alguns questionamentos e dúvidas a cerca do assunto na visão teológica. Como, o que leva uma pessoa a cometer suicídio? De que forma podemos evitar que alguém próximo cometa tal coisa? Podemos perceber alguns sinais? O que a Bíblia diz sobre o assunto? Quem faz isso comete pecado imperdoável? Vamos analisar para entender bem este complicado tema e para isso convidei um teólogo e psicanalista especializado no assunto Zedequias Carias – Imperatriz-MA.
“Quanto vale a vida de um homem para Deus, para família e para sociedade? Quanto vale nossa vida para um mundo cujos valores estão distorcidos e cujo sistema torna o homem cada vez mais só, mais doente e deprimido? Iremos adentra num tema polêmico, cheio de incompreensões, mitos e tabus. O assunto é de forma clara e equilibrada, discutindo suas causas e prevenções de uma forma sábia, mostrando uma visão teológica, sociológica, psicológica, biológica e psicanalítica”. Diz em uma entrevista exclusiva para o Blog Jovens Cristãos o teólogo e psicanalista Zedequias Carias.
Ele fez diversos estudos sobre o tema em pauta, mais alguns meses depois, a história se tornou uma realidade na família dele. Sua cunhada crente, serva de Deus, levita na casa do senhor se suicidou. Foi um dia terrível, seu coração ficou partido e estraçalhado, com muitos questionamentos e duvidas, porém aprendeu a louvar a Deus na dor e a aceitar sua soberania. Aprendeu que, embora não tinha resposta às indagações de sua mente o deixaram sobre o controle de Deus, e se lembrou das palavras do profeta Isaias. (Isaias 55.8-11).
Devemos frisar que um suicida não procura a morte em primeiro lugar, mais o alivio de sua dor. Os suicidas busca a morte quando querem na verdade uma vida que o faça sentido; sua mente fica confusa e o que eles mais querem é ter paz.

O QUE LEVA UMA PESSOA A COMETER SUICÍDO?
Lutamos pela vida e fugimos da morte, embora a morte seja inevitável, não podemos apressa-la nem mesmo determinar sua chegada, não nos cabe o direito de pôr um fim à vida, uma vez que ela não nos pertence (1 Samuel 2.6). Não são as circunstâncias que determina como será nossa vida. Os maiores heróis da história humana nasceram do ventre da crise e foram forjados no deserto da prova e devemos entender que o deserto é a escola de Deus em nossas vidas. Os maiores heróis da história foram treinado no deserto.
As causas do suicídio são diversas, a depressão, por exemplo, é o resultado de um acúmulo de estresse emocional que destrói a alma e 75% dos deprimidos finalmente a cometerem suicídio. A depressão rouba o sono, tira o apetite e esmaga a foça da pessoa, deixando suas vítimas estioladas, secas e vazias como mortos vivos, como aborda Andrew Solomon.
Distúrbios Psicológicos podem ter causas endógenas ou exógenas, ou seja, pode vim de dentro ou de fora, pode ter causas genéticas ou circunstanciais. Muitas pessoas pressionadas por estes distúrbios tornam-se inconsequentes em seus atos e se tornam incapaz de gerenciar a sua própria vida. Muitas vezes aquele que chega ao suicídio não pode ser responsabilizado pelos seus atos externos.
A Perda Financeira leva muitas pessoas a caírem no desespero e no opróbrio da perda súbita dos bens, acomodado pelo conforto, não se sente encorajados para recomeça a vida. Então ficam sem esperança, no fundo do poço, desesperados e assim cometem suicídio.
As Drogas e o alcoolismo têm destruído muitas pessoas. Tentam escapar das garras do alcoolismo, mas isto faz com que elas bebam para esquecer suas mágoas, e assim fugir da realidade da vida, como o Dr. Mc Millem diz, o álcool é um ladrão de cérebros. Em Provérbios 23.29-35 relata acerca da embriagues, onde mostra que a própria bebida faz com que você tenha mais ainda vontade de continuar bebendo, pois assim se perde totalmente o sentido da vida. A Maconha tira a motivação e interfere no sono. Já o Crack é uma droga pesada em que o efeito é imediato e danoso ao cérebro. As drogas entram na vida de alguém por curiosidades ou por pressão de grupos. Depois de tanto se aprofundar no vício não vendo esperança alguma, acha por bem dar cabo de sua própria vida.
A Pressão da vida moderna  com os grandes centros urbano crescem esplendidamente, pessoas sem moradia, sem emprego, sem sustentos, se desesperam e também se suicidam.
O Homossexualismo, segundo o reverendo Hernandes Dias Lopes, os maiores índice de suicídio estar entre os homossexuais, gays e lésbica ou bissexual e as razões destes conflitos são vários. Primeiro, o homossexual é um ser em conflito consigo mesmo, com sua mente, com seu corpo e sua alma e com isso, geram dentro de si um sentimento de culpa por entender ser algo contrário à natureza. Biblicamente a relação homossexual não é uma união de amor, mas de uma paixão infâmia (Rm 1.24-32) Além de ser considerado um pecado, é fortemente citado como uma abominação para Deus (Gn 2.24, Êx 20.17, 1Co 7.2). E todos esses fatores, além da rejeição familiar, preconceito social, conflito espirituais... tudo isso leva ao desespero. Por isso vemos muitos casos de homossexuais que se suicidam.
Outras motivações íntimas ao suicídio têm como bases: Chamar atenção para si mesmo, atitude de vingança, fuga de uma situação intolerante, desejo de encontrar uma vida melhor ou uma pessoa amada, tentativa desesperada em manipular ou controlar uma situação, excessiva tristeza, solidão, doenças incuráveis, sonhos frustrados, ausência de Deus e inúmeros outros motivos.
O que me interessou no seriado 13 Reasons why, é que vários fatores levaram a morte da Hannah Baker (personagem da série interpretada por Katherine Langford) , tão tal que ela pôde descrever 13 motivos, e eles foram sim significativos. Amigos e parentes meus até acharam meio que “bestas” algumas razões, dizendo que não deveria ter tamanha relevância, mas cada um é cada um. Mas a mensagem da série nos trás uma importante reflexão. Devemos atentar para o próximo, pois muitas vezes, pensamos tanto em nós mesmo que não damos a atenção ao nosso próximo que pode está clamando por socorro. No próximo artigo vamos discorrer sobre como podemos evitar que alguém cometa suicídio e quais sinais dar pra se perceber em relação. 

Mural de Comentários do Facebook